Entenda o que é a Gig Economy e seu impacto nas organizações e startups em todo o mundo.

A transformação na forma de trabalho e de desenvolver negócios criou um novo sistema de economia mundial que só tende a crescer nos próximos anos. Descubra se sua empresa já faz parte da Gig Economy e como ela pode impactar o seu negócio.

 

Gig Economy: o que é?

É a economia baseada em trabalhadores temporários com empresas que contratam estes profissionais para projetos específicos pagando apenas pelos resultados. O termo não é novo, mas ganhou destaque com o crescimento de startups adeptas deste modelo e também pelo interesse dos profissionais.

serviço sob demanda tem aumentado e ganhará mais espaço nos próximos anos, de acordo com a pesquisa feita pela Intuit. Em seus dados, a empresa estima que em 2020, mais de 40% dos profissionais nos Estados Unidos trabalharão de acordo com a Gig Economy.

 

Trabalhar de qualquer lugar com qualquer projeto

Usando o modelo de negócio bem popular da startup Uber, é possível encontrar pessoas em todo o mundo buscando por uma nova oportunidade de trabalho e de forma flexível. É o profissional usando suas próprias ferramentas (no caso, um carro) e trabalhando o quanto desejar e ganhando de acordo com o tempo investido no negócio.

A Gig Economy permite que freelancers selecionem entre empregos e projetos temporários em qualquer lugar do mundo e as empresas, por sua vez, selecionam os profissionais mais adequados para seus projetos.

O desejo de trabalhar com home-office, coworking ou de qualquer outro lugar é possível com esse modelo de economia. O profissional pode realmente dividir o seu tempo com o que importa, além do trabalho, sejam as viagens ou família e fazer tudo no próprio ritmo.

Enquanto o emprego formal segue em declínio, a opção de trabalhar como freelancer e ter uma rotina flexível faz crescer a Gig Economy.

 

O impacto da Gig Economy para profissionais e empresas

A grande transformação se dá pelo avanço dos mecanismos digitais e as forças movidas por estes meios, onde novas profissões e necessidades surgem.

Novos softwares despontam e métodos antigos podem ser substituídos, bem como funções relacionadas. Enquanto algumas profissões desaparecem, outras nascem e já se adaptam ao novo cenário da economia.

Com o alcance da tecnologia, mais pessoas estarão aptas a trabalhar nos moldes da Gig Economy. Profissionais concentrados em áreas rurais ou mais afastadas, com avanço da capacidade tecnológica internet, também poderão atuar ativamente no mercado.

Os millennials são responsáveis pela mudança no comportamento dos novos profissionais que têm muito mais facilidade em trocar de emprego e funções na carreira. Buscando a satisfação pessoal, os novos profissionais atuantes no mercado não se prendem a estabilidade financeira ou profissional.

Essa mudança é especialmente sustentada por profissionais independentes que buscam por trabalhos, mesmo que temporários, mas que tenham real interesse. Isso leva ao efeito provocado na Gig Economy com a realização de projetos e não apenas trabalho.

E a necessidade das organizações de realizar mais com menos recursos, devido crises ou corte de gastos também move essa economia. Com freelancers trabalhando de qualquer lugar, as empresas têm a opção de operar em escritórios reduzidos e diminuir custos com impostos e benefícios dos empregados.

Além mudanças financeiras e tecnológicas, a geração de profissionais atuantes no mercado transformou a forma de trabalhar.

A Gig Economy dá a opção aos profissionais de trabalhar em projetos relevantes para sua própria carreira sem comprometer outros pontos importantes de sua vida pessoal. Mas outro fator importantíssimo levantado nesse novo modelo de economia é a preparação profissional.

Nunca se teve tantos bons profissionais disponíveis no mercado e tantas empresas prestando atenção nestes talentos. A busca por melhores projetos e clientes exige um maior preparo do profissional que entra nesse cenário. É possível encontrar especialistas nas mais variadas áreas e seus nichos, principalmente no âmbito tecnológico.

E, mais do que profissionais em busca de boas oportunidades, as empresas também estão observando onde encontrar os melhores colaboradores. É um tempo investido para que o resultado de projetos, de curto ou longo prazo, sejam expressivos. Tornou-se comum recrutadores entrarem em contato com profissionais por meio do LinkedIn ou portfólio e não mais o tradicional envio de currículos para empresa.

 

Há alguns anos, eu venho percebendo essa mudança na aproximação de empresas e freelancers, por isso, depois de ter passado anos da minha vida profissional atuando em empresas e agências, decidi me planejar para esse novo mercado e me tornar um Profissional Independente Fulltime e confesso que não me arrependo da minha decisão. Apesar de exigir maior responsabilidade, dedicação e expertise, essa nova etapa da minha carreira tem sido bem mais satisfatória.

De forma transparente e rápida, você pode realizar projetos com muito mais agilidade e benefícios para sua empresa, ou negócio, com um profissional independente especializado.